Quais são as Cinco Forças de Porter e como utilizá-las pode alavancar seu negócio?

“As cinco forças de Porter” foram um método criado pelo professor de Harvard, Michael Porter. O objetivo do método é fazer com que você tenha uma boa ideia da concorrência que seu negócio está enfrentando ou que irá enfrentar e de outros fatores que interferem no meio em ele está/estará inserido, e, assim, se a sua estratégia te dará uma boa lucratividade.

As Cinco forças de Porter são: Rivalidade entre os concorrentes, Poder de negociação dos clientes, Poder de negociação dos fornecedores, Ameaça de produtos substitutos, Ameaça de entrada de novos concorrentes.

Neste sentido, como o objetivo de uma empresa é atender ao seu cliente da melhor forma possível e estar à frente dos demais concorrentes, neste quesito, analisar o meio externo e moldar os seus métodos para essa finalidade é substancial.

“As cinco forças COMPETITIVAS de Porter” irão justamente te dar as respostas para se manter forte no mercado. Então, vamos a elas:





1- Rivalidade entre os concorrentes

A primeira força e o fator mais analisado por empreendedores é a concorrência.

E isso tem um motivo claro: as empresas buscam constantemente estar um passo à frente de seus concorrentes. Analisar como os seus competidores estão se saindo e buscar uma diferenciação inovadora faz parte do cotidiano de um empreendedor. (Saiba mais sobre análise de concorrência em nosso artigo: “A importância do Benchmarking para uma empresa“.)

Em ambientes com muitos competidores, a balança do poder de barganha tende para o lado dos clientes. Essa tendência dá aos compradores a capacidade de exigir produtos e preços melhores. É neste momento que se destacam aqueles que conseguem atender a essas necessidades da melhor forma.

2- Poder de negociação dos clientes

O poder de negociação dos clientes vai depender muito do grau de concorrência no mercado. Assim, como explicado acima, em um mercado saturado de vendedores, o poder de barganha dos clientes tende a se elevar e também a sua exigência por produtos melhores e com preços mais baixos. E em um caso contrário, quando a concorrência é menor, os vendedores terão maior liberdade com a qualidade e a precificação de suas mercadorias.

Porém, há um outro quesito a se avaliar, e que altera o pêndulo da balança: o ticket médio. Ou seja, o quanto seus clientes em média podem gastar em sua empresa. Se os produtos que você vende têm um preço mais elevado, cada comprador já irá valer muito. Assim, mesmo que haja poucos concorrentes, o ticket médio alto levará a um equilíbrio da balança.

3- Poder de negociação dos fornecedores

Como dono de um empreendimento, você também poderá estar em condição de cliente frequentemente. Nesse caso, quanto maior a quantidade de fornecedores no mercado e dentro de sua rede, a concorrência entre eles será maior e menor será a sua probabilidade de enfrentar oscilações no preço de seus insumos, em suas qualidades e nos prazos de entrega. Mas cabe lembrar que há casos em que uma situação de alta de preços não significa maior poder dos seus fornecedores sobre você.

A depender de qual seja o tamanho da cadeia de produção até chegar ao insumo que a sua empresa compra e gera valor sobre, mais ou menos oscilações de custo podem haver durante esse processo. Por exemplo, se há um aumento no custo de produção dos seus fornecedores, é muito provável que esse custo seja passado adiante, encarecendo o seu produto final.

4- Ameaça de produtos substitutos

Neste quesito, é hora de analisar o diferencial do seu produto e se vale a pena para o cliente obtê-lo ou procurar uma outra forma de realizar as suas tarefas. Este cenário é muito comum em mercados de valor mais elevado e em situações de recursos financeiros limitados. Cenários e situações essas que obrigam os seus clientes a ter um olhar mais cuidadoso e a pensar milimetricamente suas decisões.

Um exemplo bem comum dessa situação é o mercado de smartphones dominando parte do mercado das câmeras fotográficas. Pois se sabe que até certo preço de comparação, um telefone celular, além de realizar funções diversas, tira fotos tão boas quanto uma câmera. Veja, os dois produtos pertenciam originalmente a mercados diferentes, mas um conseguiu crescer de tal forma a ter condições de interferir no outro.

5- Ameaça de entrada de novos concorrentes

Por fim, chegamos à quinta força, e veja que voltamos ao ponto da concorrência. A diferença deste caso é que assumirá um caráter de previsão e prevenção, pois além de estudar as consequências da entrada de um novo concorrente, deve-se sempre buscar formas de continuar atuante no mercado.

Casos comuns de reações que empresas já consolidadas costumam ter contra os novos entrantes está relacionado a uma alta na qualidade dos produtos e a uma baixa nos preços. Essa alternativa busca sufocar a nova concorrência ainda na entrada, porém gera como consequência uma baixa na lucratividade da empresa.

Se você leu esse artigo até aqui, com certeza já entendeu a importância que existe em conhecer muito bem a sua concorrência e nós, da CJA, podemos te ajudar com isso!

Não deixe sua concorrência sair na frente, preencha o formulário abaixo e fale com um de nossos consultores:

CJA CONSULTORIA

INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER

Receba nossos conteúdos por e-mail

Inscrição concluída!